quinta-feira, 9 de junho de 2016

Grávida de gêmeos fez ultrassom com falso médico preso: 'Não suspeitei'


'Não suspeitei', diz moradora de Salto de Pirapora.
Homem trabalhava em vários laboratórios da região.
Maternidade de Salto de Pirapora funciona em prédio da prefeitura
Foto: Arquivo Blog Adriano Vincler
Encontrar o carimbo de um homem preso suspeito de usar documentos falsos e de estelionato como médico responsável pelo exame que constatou a sua gravidez de gêmeos surpreendeu uma moradora de Salto de Pirapora (SP). O falso médico Katiuce Arantes Martins, preso na terça-feira (7) durante operação da Polícia Federal, fez exames de ultrassom durante o pré-natal de Laine Alvarenga Lopes, de 20 anos, na maternidade da cidade. 

"Fiquei muito surpresa quando li o exame e percebi que se tratava dele. Não suspeitei", conta Laine. Após a notícia da prisão, a mãe da jovem lembrou que a filha passou por atendimento com Martins em setembro de 2015 e confirmou o nome do falso médico após encontrar o documento do exame. “Peguei o ultrassom e me surpreendi. Ainda bem que não era um exame mais grave”, lembra.

Em nota ao G1 nesta quinta-feira (9), a Divisão Administrativa da Maternidade Municipal de Salto de Pirapora confirma que Katiuce trabalhava no local por empresa terceirizada que presta serviço na maternidade. Ele fazia ultrassom obstétrico, mas segundo a chefe da maternidade, há mais de dois meses ele não comparece ao local.

Documento mostra assinatura de falso médico em Salto de Piraproa (Foto: Laine Lopes/Arquivo Pessoal)
Laine, que estava grávida pela primeira vez, conta ainda que em momento algum chegou a duvidar do falso médico. “Não achei nada estranho, porque ele fez tudo certo. Chegou até a brincar quando falou que seriam gêmeos”, diz ao afirmar que estava acompanhada da mãe, que também não desconfiou de nada. 

Para ser contratado em diversos laboratórios de Sorocaba e região, Katiuce teria falsificado diploma de médico cirurgião no ano de 2005 de uma Universidade na Bolívia e apresentado em Conselhos Regionais de Medicinas em três estados no Brasil. Durante investigação no país, foi descoberto que o falso médico não foi estudante da instituição.

O suspeito chegou, inclusive, a falsificar certificados de cursos de especialização. Martins também teria aberto uma empresa em Sorocaba no ano de 2013 para atuar em hospitais da região com serviços de ultrassonografia, segundo a polícia. Até o momento, já há o registro de pelos menos sete hospitais e clínicas em que ele teria atuado na região.

Após o exame, a moradora de Salto de Pirapora chegou a refazer o ultrassom na rede particular, apenas para confirmar que estaria grávida de gêmeos. O parto foi realizado sem complicações.

No entanto, a orientação da delegada-chefe da Polícia Federal, Érika Coppini, é de que os pacientes façam novamente os exames em casos de dúvidas. "Quem passou por ultrassom deve identificar o médico que o atendeu para, a partir dai, confirmar o laudo que obteve. Quem tiver dúvida deve procurar um outro médico para refazer o exame", alerta ela que tenta identificar os pacientes atendidos por Martins durante o período em que atuou na região.

Falso médico
Em alguns casos, como na Santa Casa de Sorocaba, Martins chegou a apresentar certificados de possíveis especializações. Em nota, o gestor geral da instituição, José Luiz Pimentel, afirmou que também ficou surpreso ao saber da prisão do suposto médico. Ele atendeu pacientes no local em dezembro de 2015, atuando como ultrassonografista.

Pimentel informa ainda que todos os procedimentos de checagem de documentos do suposto falso médico foram checados antes da contratação dele. "Tanto é que em 1º de dezembro de 1995, Katiuce estava com seu cadastro ativo no Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp)", afirma.

De acordo com o gestor, Martins apresentou documentos como certidão de transferência de licença de atuação, do Cremesp da Bahia para São Paulo; títulos de especialista pela Sociedade Brasileira de Ultrassonografia; certificado de conclusão do curso superior em Medicina, na Bolívia; e carteira do Conselho Federal de Medicina.

“Nesse tempo em que atuou na Santa Casa, não recebemos uma reclamação sequer quanto ao trabalho realizado por esse suposto médico. Como em qualquer outro caso de contratação, dessa vez também fizemos tudo o que estava ao nosso alcance para checar as informações quanto ao profissional citado”, explicou o gestor geral da Santa Casa ao afirmar que deve apresentar a documentação para a Polícia Federal.

Outros hospitais
O Hospital Santa Lucinda informou que o falso médico prestava serviços por meio de uma empresa terceirizada e que vai questionar a empresa responsável pela contratação. Já o Hospital Santo Antônio, em Votorantim (SP), reconhece que o homem preso trabalhou "algumas vezes", mas também como terceirizado.

O Gpaci informou que está apurando as informações e está à disposição para colaborar com as autoridades. O Hospital Evangélico disse que vai tomar providências de acordo com orientação do conselho regional de medicina. A empresa TOP Imagem disse que era impossível identificar qualquer irregularidade na documentação apresentada pelo falso médico. A Unimed Mairinque ainda não se manifestou sobre o assunto.

Falsificação
O homem de 42 anos foi preso na terça-feira (8) suspeito de usar documentos falsos e por estelionato, durante operação “Ultrassom” da Polícia Federal, que apura atividade irregular de medicina.

Os policiais cumpriram mandado de prisão preventiva e cinco mandados de busca e apreensão nas cidades de Sorocaba e Votorantim.A polícia agora irá investigar em quais clínicas e laboratórios o falso médico atuou, a quantidade de pacientes atendidos e eventuais prejuízos financeiros e à saúde.

Falso médico teria falsificado certificados para trabalhar na região de Sorocaba, diz polícia  (Foto: Polícia Federal/Divulgação)

Um comentário:

Everton Erick disse...

Minha esposa também passou com esse falço médico

Arquivo

Top 10 - Fatos e acontecimentos